Betinho e Jussimar, caras novas (ou não) no Dragão

Foto: Felipe Martins/ADC

No último dia do prazo para inscrever jogadores no campeonato sergipano o Confiança contratou dois jogadores: um atacante e um meia

Betinho

O atacante é Carlos Alberto dos Santos Silva, ou Betinho. Pernambucano de Recife, Betinho fez categorias de base e se profissionalizou no Náutico em 2005, mas pouco jogou pelo timbu.

Ainda jovem foi para o Gil Vincente de Portugal onde jogou a segunda divisão lusitana e voltou ao Brasil em 2008. Depois de passar por diversos clubes, dentre eles Fortaleza, Coritiba e Vila Nova,  chegou ao Palmeiras, onde teve o ápice de sua carreira com a conquista da Copa do Brasil de 2012, fazendo inclusive o gol do título.

Dispensado do Palmeiras, roda por alguns clubes como Santa Cruz, Avaí e Paysandu. No papão de Belém foi onde teve a última temporada com a algum destaque, sendo campeão paraense e da Copa Verde, na qual foi o artilheiro bicolor com 4 gols.

Seu último clube foi o ASA, onde fez 8 partidas e marcou dois gols, com a eliminação do fantasma do Alagoano, Betinho ficou disponível e veio para o Confiança.

A rodagem do jogador, a pouca quantidade de jogos e gols nos últimos anos e ainda a reação de alívio da torcida do ASA com sua saída deixou a torcida azulina desconfiada, mas com a necessidade urgente de contratar um atacante e o mercado escasso, foi o que conseguimos trazer.

Com apenas 31 anos, ele tem uma chance de retomar a carreira no Confiança, resta saber se ele terá físico e vontade para tal.

Jussimar

Com uma passagem apenas regular pelo Confiança em 2017, o meia Jussimar retorna depois de passagens por Juazeirense e Flu de Feira. Baiano de Rio Real, Jussimar começou na Catuense e rodou pelo nordeste, notadamente nos times do interior da Bahia. Sua temporada de maior destaque foi a de 2016 no Campinense, onde foi campeão paraibano. Após essa temporada foi contratado pelo América, voltou ao Campinense até chegar ao Confiança em 2017.

Por aqui fez 10 jogos, nenhum gols e nenhuma vitória! Foi pra reserva justamente na arrancada de 3 vitórias seguidas na série C. Foi uma passagem apagada em um time limitado, mas que mesmo assim quase subiu pra série B. Vamos torcer (ou se iludir) que nessa segunda passagem fará gols, vencerá jogos e conseguirá o acesso que escapou em 2017.

O que podemos esperar?

Apesar das desconfiança justificadas por parte da torcida, diante dos erros de montagem do elenco, falta de recursos financeiros e necessidade urgente, foram nomes razoáveis. Realmente, nessas condições seria praticamente conseguir bons nomes nesse.

Vamos torcer que consigam render bem nessa reta final do estadual e na série C.