CBF quer padronizar estaduais e define Mineiro como exemplo

Foto: PEDRO VILELA/GETTY IMAGES
Foto: PEDRO VILELA/GETTY IMAGES

Fora de pauta, a Confederação Brasileira de Futebol descarta pôr fim aos estaduais, mas estuda padronizá-los e diminuir ainda mais os seus espaços no calendário nacional. A entidade definiu a atual fórmula de disputa do Campeonato Mineiro como a ideal e trabalha para encontrar um formato que deixe todas as suas filiadas satisfeitas. A mudança, ainda em fase inicial de conversas, atenderia a uma demanda dos principais clubes.

A princípio, nem todas as federações teriam de se adequar ao modelo ainda ser definido.

Com apenas 15 datas, o estadual mineiro é apontado como um dos motivos para o sucesso recente de Cruzeiro, bicampeão brasileiro, e Atlético-MG, campeão da Copa do Brasil. A competição entrará neste ano em sua sexta temporada consecutiva com a mesma fórmula.

O campeonato conta com 12 participantes, que se enfrentam entre si em turno único, com os quatro melhores seguindo para as semifinais e os dois últimos colocados rebaixados para a segunda divisão. Na fase seguinte, os classificados fazem confrontos de ida e volta por uma vaga na final. Os vencedores decidem o título também em duas partidas.

A atual fórmula dos mineiros está garantida pelo menos até 2016.

No último Conselho Técnico da FMF (Federação Mineira de Futebol), foi sugerido o acréscimo das quartas-de-final, mas, mesmo com o placar favorável de 7 a 5, a proposta acabou derrubada por conta da posição contrária de Cruzeiro, Atlético-MG e América-MG, que têm maior peso nos votos.

Mais reduzido, o Mineiro permite aos clubes realizarem pré-temporada maior e terem as semanas livres para treinos.

O movimento de atletas Bom Senso F.C. considera o período de preparação no Estado mais próximo do ideal.

O gerente de competições da CBF, Manoel Flores, encabeça as conversas.

“Ele falou comigo sobre a intenção da CBF de padronizar no futuro os estaduais e sinalizou que a nossa fórmula de disputa poderia, mesmo, ser destacada dentro do projeto. Agora, existe um calendário nacional, inclusive, atendendo a parte do Bom Senso. Aqui, em Minas, temos o cuidado de limitar o nosso campeonato dentro daquele espaço determinado. É uma forma enxuta e, ao mesmo tempo, interessante, com uma parte de pontos corridos e outra de mata-mata”, afirma o presidente da federação mineira, Castellar Neto, ao ESPN.com.br.

Em seu calendário para 2015, a CBF trouxe como principal novidade o período para a realização de pré-temporada das equipes: de 7 a 31 de janeiro (25 dias). Os estaduais contam com 19 datas reservadas para eles em boa parte dos estados. Na região Nordeste, são 12 por conta da Copa do Nordeste enquanto que, no Norte/Centro-Oeste, 15 em virtude da Copa Verde.

Um dos entraves para a CBF colocar em prática mudanças mais profundas nos estaduais é o receio de deixar insatisfeitas suas filiadas, responsáveis por 27 votos em suas eleições presidenciais – os clubes são minoria, com ‘apenas’ 20.

Fonte: ESPN