Clubes e PM dividirão tarefas na segurança interna dos estádios

A partir do próximo domingo, a responsabilidade pela segurança na parte interna dos estádios de futebol em Sergipe será compartilhada entre a Polícia Militar e os clubes. A decisão foi tomada no início da tarde desta terça-feira, durante reunião realizada no Ministério Público de Sergipe entre o comando da Polícia Militar, presidente e vice da Federação Sergipana de Futebol e dirigentes de clubes. O encontro teve o objetivo discutir a questão do policiamento nos campos durante os jogos. A PM alega que não tem efetivo suficiente para atender a demanda, e que os trabalhos de segurança dentro dos locais das partidas deveriam caber aos clubes e Federação.

– Foi um encontro importante, em que discutimos pontos relevantes sobre essa questão do policiamento. A PM expôs suas dificuldades e nós também falamos sobre as nossas. Ficou decidido que vamos nos somar para promover esta segurança. A polícia fará uma parte da segurança. A outra caberá ao clube mandante, que deverá contratar uma empresa de segurança – destacou Milton Dantas, vice-presidente da Federação Sergipana de Futebol.

Foto: Felipe Martins

Foto: Felipe Martins

A situação, de acordo com o dirigente, é provisória. Durante a audiência as partes definiram também que será enviado à Assembléia Legislativa um projeto para que os policiais possam receber também uma gratificação pelo trabalho nos jogos de futebol.

– Essa gratificação já é paga aos policiais para que eles trabalhem em alguns outros eventos, a exemplo do Pré-Caju. A ideia é que eles também possam receber para trabalhar em jogos de futebol. Assim, até policiais em folga poderão fazer esse serviço e receber por isso. É bom ressaltar que, quando sair esta gratificação, a segurança volta a ser feita toda pela PM – disse Milton.

Outro ponto importante decidido durante a audiência é que será cumprida com rigor a Ação Civil Pública de 2011 que proíbe a entrada de torcidas organizadas nos estádios. A medida foi adotada para ajudar ainda mais nas garantias de segurança dentro do estádio.

– O foco de tudo o que nós estamos discutindo aqui é a proteção do torcedor no estádio. Estamos impondo obrigações a todos. Todos têm deveres na promoção da segurança nos jogos – falou o promotor Jarbas Adelino, curador do Serviço Externo da Atividade Policial do MPE-SE.

Foto: Felipe Martins

Foto: Felipe Martins

A decisão não agradou os dirigentes dos clubes, que mostram preocupação com o assunto.

– A polícia está olhando o lado dela, mas há coisas que são difíceis de serem cumpridas dentro da realidade do futebol sergipano. Recebemos esta decisão com muita apreensão e dificuldade. A PM faz a segurança nos grandes eventos que acontecem na cidade e no Estado. E com o futebol não pode ser diferente – disse Lailson Melo, presidente do Conselho Deliberativo do Sergipe.

– A Polícia Militar não disse que não vai fazer a sua parte. Mas temos os nossos limites e deixamos claro ao Ministério Público que se tiver efetivo a mais precisamos pagar mais. Às vezes temos que tirar policiais das cidades vizinhas para fazer esta segurança, e o Ministério Público tinha que ficar ciente disso – falou o Coronel Maurício Iunes, Comandante da PM.

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com