Diego Neve também estará fora do jogo de volta no Ceará

diego-neves-confianca

Na partida de ida, realizada em Aracaju, o Confiança/SE fez o dever de casa e venceu por 1 a 0, tendo a vantagem do empate em Limeira. Como o Guarani ganhou pelo mesmo placar, a decisão acabou indo para os pênaltis. E, novamente, o time sergipano levou a melhor, avançando para a segunda fase da Copa do Brasil. Porém, na segunda partida, Diego Neves foi expulso e teve que ser julgado diante da Quinta Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) nesta quinta-feira, dia 9 de maio. Porém, desta vez, o time não levou a melhor. Punido em duas partidas, o jogador desfalcará o time diante do Fortaleza, na segunda partida da segunda fase.

A fase que já era ruim ficou ainda pior no dia 17 de abril. Mostrando um futebol bastante limitado, o Guarani chegou a dar um fio de esperança aos torcedores quando Fernando Gaúcho fez 1 a 0 aos 49 minutos do segundo tempo. O Confiança, porém, estava bem mais tranquilo e garantiu a classificação para a segunda fase da Copa do Brasil ao vencer por 4 a 1 nos pênaltis. O confronto foi realizado no Estádio Major Levy Sobrinho, em Limeira.

O jogo estava 0 a 0 até que, aos 40 minutos do segundo tempo, o atacante Diego Neves foi expulso e deixou o time sergipano com um homem a menos. De forma desorganizada, mas na base da vontade, o Guarani partiu para cima do Confiança nos minutos finais. Aos 48 minutos, Fernando Gaúcho aproveitou cruzamento de Wilson e cabeceou sem chances para o goleiro Jefersson, levando os quase 400 torcedores bugrinos ao delírio.

Apesar do Confiança ter levado a melhor em campo, ainda teve que defender o atacante no STJD.?? Segundo relato da súmula, Diego Neves foi expulso por “atingir seu adversário de n 10, sr. Everton Henrique Mauricio Oliveira, com um soco “de raspão”. Informo ainda que o jogo estava paralisado em virtude de uma falta para equipe do Guarani. O fato foi presenciado pelo assistente nº 1, sr. Bruno Boschilia, que me informou. O jogador atingido não precisou de atendimento e continuou na partida”.

Pelo ato, o atacante foi julgado com base no artigo 254-A, § 1º, inciso I do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) – “praticar agressão física durante a partida, prova ou equivalente: desferir dolosamente soco, cotovelada, cabeçada ou golpes similares em outrem, de forma contundente ou assumindo o risco de causar dano ou lesão ao atingido”, que prevê suspensão de quatro a 12 partidas, sendo descontada a automática.

Após a procuradoria reiterar a denúncia, o advogado Rafael Fachada fez a defesa do jogador do Confiança: “O atleta do Confiança tem uma atitude hostil, um tapa, mas não uma agressão física. O ato não tinha nenhuma contundência. Ele não conseguiria machucar de nenhuma forma o atleta do Guarani. No vídeo vimos que a expulsão foi pela apresentação do segundo amarelo e não pela gravidade do ato. Por este motivo, a defesa vem pedir a desclassificação para ato hostil, artigo 250”. O pedido foi acatado pelos auditores, que votaram por suspender o jogador por uma partida.

Sem Diego Neves, que cumpriu suspensão automática, na última quarta-feira, dia 8, o Confiança empatou em 1 a 1 com o Fortaleza, em Aracaju. A decisão ficou para o dia 22 de maio, na Arena Castelão, em Fortaleza. Por ter marcado um gol fora de casa, o Fortaleza se classifica se empatar por 0 a 0. Quem vencer avança para a terceira fase e encara Bahia ou Luverdense.

Fonte: Justiça Desportiva

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com