Guia do hexagonal – Os caminhos e desafios do Confiança

A primeira fase do Campeonato Sergipano acabou e com isso sabemos os 6 classificados para o hexagonal, os 2 rebaixados e os 2 do limbo, quem nem caíram e nem seguem em frente.

Depois de uma primeira fase difícil e que nos recuperarmos no final, quais caminhos e desafios esperam o Confiança para podermos chegar a mais uma final do estadual? Vamos tentar traçar esse panorama agora.

Primeira fase

Na primeira fase do Campeonato Sergipano aconteceram 45 jogos com 95 gols, uma média de 2,11 gols por jogo. 67% dos jogos tiveram menos de 3 gols. 40% das vitórias foram de times mandantes, contra 29% dos visitantes e 31% de empates. o único desses números que tem uma distorção foram os jogos com menos de 3 gols, atestando jogos duro e que vacilos na defesa podem custar caro, como nos jogos contra Boca e Sergipe que mesmo com maior volume de jogo tomamos gols e depois não conseguimos recuperar.

Por outro lado tivemos duas remontadas, contra Olímpico e Socorrense, mostrando nosso ataque pode ser mais produtivo do que foi na maior parte dos jogos.

Nossos adversários

Vamos analisar as campanhas dos nossos adversários e ter uma prévia do que enfrentaremos. Pus na ordem de enfrentamento para facilitar.

Lagarto

O time lagartense veio forte esse ano e sua classificação para o hexagonal atesta isso. O time impulsionado por Diego Costa vem pra segunda fase com técnico novo, Givanildo Sales que saiu do Olímpico.

Na primeira fase o Lagarto foi teve 3 vitórias, 3 derrotas e 3 empates. Marcou 9 gols e recebeu 8. Fora de casa o Lagarto tem 2 derrotas, 2 vitórias e 1 empate. Os dois últimos jogos que fez fora do Barretão foram duas derrotas para Frei Paulistano e Sergipe, ambos por 1 x 0. No jogo que fizemos contra o Lagarto eles atacaram bastante e Genivaldo nos salvou da derrota, por outro lado também permitiram boas chegadas e foram salvos pelo goleiro.

Por ser um time de placares baixos, sobretudo fora de casa, o caminho é não perder chances e saber dosar o ímpeto, pois é um time que toma poucos gols e sair atrás do placar é um complicador.

Olímpico

O time de Itabaianinha foi a grata surpresa da primeira fase, o único a terminar invicta e com o melhor ataque da competição até aqui. O Dragão da zona venceu 3 partidas e empatou as outras 6. Marcou 15 gols e cedeu 8.

Mesmo tendo o melhor ataque, a equipe vem de dois 0 x 0, analisando a trajetória do time percebemos que nos 3 primeiros jogos cedeu 2 gols em cada, depois disso só cedeu mais 2, mostrando que sua defesa também merece ser analisada com mais detalhes. Em casa o Olímpico venceu a primeira e empatou as outras 4.

Depois dos clássicos, esse é o jogo mais complicado desse hexagonal, pois em um campo pequeno e que o adversário conhece bem vai se concentrar em não tomar gols, o que tem conseguido, e buscar aproveitar as chances que terão.

Sergipe

Clássico sempre é um jogo difícil de analisar, pois além da posição na tabela sempre tem muito a mais a ser disputado e a depender de como os times cheguem para essa terceira rodada pode valer eliminação das finais, ou seja, previsão de jogo muito tenso e assim quero acreditar que teremos uma pequena vantagem nesse aspecto por estarmos enfrentamos jogos duros e decisivos seguidamente.

Na primeira fase o Sergipe foi o líder com 7 vitórias, 1 empate e 1 derrota. Marcou 15 gols e sofreu 3. No Batistão venceu todos os jogos e só teve problemas nos jogos fora, onde empatou com o Olímpico e perdeu para o Itabaiana.

Se não chegarmos com a corda no pescoço a esse jogo, a postura que tivemos contra o Itabaiana será a ideal para esse confronto, sobretudo por que temos mais velocidade e repertório no ataque para conseguir surpreender.

Boca Jr

Das duas derrotas que tivemos uma foi para o Boca Junior que além do Confiança venceu mais 3 partidas, o genérico argentino  é o menos badalado dos classificados e isso é muito perigoso, pois o coloca como franco atirador. Além de nos vencer, o Boca empatou com o Itabaiana na Serra,  então o time vai tremer ao nos enfrentar.  A campanha do Boca é de 4 vitórias, 2 empates e 3 derrotas, marcou 8 gols e cedeu 8.

Outro ponto de atenção na campanha do Boca foram suas derrotas, concentradas em 3 jogos seguidos entre a terceira e quinta rodada, ou seja, mesmo com 3 derrotas seguidas o time trocou de técnico e conseguiu se reinventar. Agora vem para hexagonal com o terceiro técnico, mais experiente que o anterior mostrando que a equipe estanciana vem pra brigar nesta fase.

Esse time também seguiu a tônica da maioria dos classificados, tomou poucos gols, então são times que poucos se expõe e “sabem sofrer”, por isso a paciência também será a chave desse jogo.

Itabaiana

O Itabaiana já vem montando bons times há pelo menos 2 temporadas, mas sempre bateu na trave, seja no estadual, seja na série D, por isso é um time mais perigoso do que aparenta, ainda que esse elenco ainda não tenha dado a liga dos anos anteriores, mas mesmo assim até a derrota no último jogo da primeira fase estava invicto. A campanha do Itabaiana é de 4 vitórias, 4 empates e 1 derrota, marcando 10 gols e cedendo 4.

O Itabaiana será o nosso último adversário e em uma fase curta como será o hexagonal deste ano dificilmente chegaremos lá sem aperreio, ou seja, teremos uma última rodada daquele jeito. Porém vejo boas possibilidades nessa visita a Itabaiana, em que pese terem vencido o Sergipe lá, o tricolor não venceu Dorense, Boca e Olímpico em seus domínios e isso é um ponto interessante, pois mostra uma fragilidade como mandante.

Confiança

Começamos o campeonato com muita esperança de que esse ano finalmente não teria aperreio, ledo engano. Depois de 4 jogos sem vitória no estadual, outros 2 na copa do Nordeste e ainda com a eliminação na Copa do Brasil estávamos destruídos e sem qualquer esperança de classificação, até o rebaixamento para a série B do estadual era cogitado.

Vencemos o Frei Paulistano com uma cartada arriscada de Ailton Silva, que não resistiu  à derrota no clássico contra o Sergipe. Com a demissão de Ailton, Edmilson Santos foi interino contra o Treze pela Copa do Nordeste e o time deu uma resposta positiva, foi o início da reação.

Geraldo e Luizinho Lopes chegaram e o time continuou vencendo ainda que com altos e baixos, desde então são 3 vitórias seguidas no estadual e classificação para o hexagonal conquistada na última rodada. No fim das contas nossa campanha ficou com 4 vitórias, 3 empates e 2 derrotas. Fizemos 12 gols e cedemos 9.

Diante dessa história de superação chegamos com o ambiente tranquilo e com um time na crescente sabendo de suas qualidades e deficiências e com um técnico que vem de um bom trabalho e quer repetir por aqui. Por outro lado voltamos a ser o time a ser batido e iremos encontrar adversários mais empolgados e fechados contra a gente, o que é normal dada a nossa dominância no cenário estadual dos últimos ano. Assim, temos que aceitar esse favoritismo e usar isso a nosso favor.

Na pior das hipóteses teremos 5 jogos para identificar o que precisamos reforçar, além da defesa, para a série C. Vamos com tranquilidade, sem menosprezar os adversários, mas sem esquecer do tamanho que temos. Vamos pra cima nesse hexagonal com tudo e mostrar que o nosso crescimento não foi acidente.