Álvaro supera má fase e quer que bom momento reflita em título do Confiança

Foto: Ricardo Espinheira

Álvaro chegou ao Confiança na Série C do ano passado. Com boas apresentações, conquistou o respeito de torcedores, dirigentes e comissão técnica. Teve o contrato renovado. Mas no início da atual temporada não conseguiu o mesmo bom rendimento, perdeu espaço no time titular mas teve a tranquilidade suficiente para reagir e subir de produção. Nas últimas rodadas se destacou bastante e foi peça fundamental do Time Proletário na conquista de uma vaga na final do Campeonato Sergipano.

O Confiança vai decidir o título com o Itabaiana e o meia Álvaro quer que o bom momento dele e da equipe se reflita em título. O jogador conta que, nos momentos mais difíceis, em que estava oscilando, contou com o apoio da família para superar a má fase, principalmente da esposa, a Isabela.

– Tenho que agradecer muito a Deus e a minha esposa que me ajudou bastante. Quando eu oscilei ela me ajudou muito, me deu força, me encorajou. Ninguém gosta de jogar mal, por isso fiquei triste e ela me deu todo o suporte necessário.

O meia tem um gol e três assistências no Campeonato Sergipano. Na última rodada, no clássico contra o Itabaiana, iniciou a jogada que resultou no gol da vitória e da classificação para a final ao cobrar uma falta no travessão. No rebote, Tito mandou para as redes. A fase de Álvaro é tão boa que lhe rendeu até elogios do chefe. O técnico Leandro Sena, que já trabalhou com ele no América de Natal, destacou a superação do atleta.

– Eu conheço o Álvaro há muito tempo. Trabalhei com ele em outras oportunidades. Conheço o potencial e a capacidade dele. Confiava desde o princípio que ele voltaria a produzir bem. É um jogador experiente, que soube se reinventar e está colhendo os frutos do trabalho dele- disse Leandro Sena.

Antes da grande final, o Confiança ainda tem uma partida para cumprir pelo Hexagonal. É contra o Frei Paulistano, na próxima terça-feira, na Arena Batistão. Neste jogo, Álvaro não deve jogar. Não por ser contestado como titular, mas porque os considerados titulares serão poupados para a grande final.

– Queria estar jogando, mas é bom que tem chance de descansar um pouco, sair com a esposa, curtir mais a família, dá para fazer uma gracinha com a esposa, levá-la para sair, e tal (risos). Não me sinto titular absoluto porque o elenco é qualificado e todo mundo está buscando o próprio espaço. O que o professor optar a gente respeita porque ele é o comandante. Nosso foco total está na final.

Natural de Novo Cruzeiro-MG, o jogador de 23 anos já defendeu equipes como Tupi-MG, América-RN e Nacional-AM.

Fonte: Globoesporte.com

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com