Volante Raulino passa por operação

Foto: Filippe Araújo/ADC
Foto: Filippe Araújo/ADC

Uma das importantes baixas do Confiança para os jogos da Série D do Brasileiro, o volante Raulino se submeteu, na terça-feira, a uma cirurgia no joelho direito para corrigir um rompimento do ligamento cruzado. O atleta só atuou as três primeira rodadas da competição, mas que sofreu a lesão no meio do mês passado.

A operação, segundo o cirurgião-ortopedista Sílvio Cardoso, foi marcada de pleno êxito, e teve a duração de 90 minutos. O meio-campista do time proletário, que recebeu alta ontem, e já se encontra em sua residência, vai retirar os curativos amanhã e iniciar os primeiros trabalhos de fisioterapia.

“Raulino, com certeza, reagirá bem à operação. Ele é um profissional aplicado e saberá seguir, à risca, as orientações que lhe forem passadas, para acelerar a sua recuperação”, disse o cirurgião-ortopedista.

O doutor Sílvio Cardoso, apesar de otimista, quanto a um rápido restabelecimento de Raulino, informou que o jogador, somente, após as sessões de fisioterapia, que deverão durar 90 dias, será liberado para treinos físicos. Trabalho com bola, ele calcula que, a partir de janeiro.

Enquanto Raulino, longe dos gramados, torce pelo sucesso do Dragão do Bairro Industrial, na Série D do Campeonato Brasileiro de Clube, seus companheiros de equipes seguem treinando forte, para o primeiro duelo com o Central, domingo, às 16h, no Estádio Lacerdão, em Caruaru, pelas oitavas-de-final do certame nacional.

Ajustes

Com o elenco inteiro, ou seja, livre de problema de ordem médica e disciplinar, a exceção do próprio Raulino, e o zagueiro Ricardo, seriamente contundido, o treinador Betinho, agora trabalha para dar os últimos ajustes no time para o confronto com o time de Pernambuco.

Nos últimos ensaios da equipe, no Sabino Ribeiro, Betinho tem deixado claro que, confirmado para o encontro com o rival, só o goleiro Everson, os laterais Glauber e Pedrinho, e os zagueiros Valdo e Eron. Nos setores de meio-campo e ataque, ele disse que pode não existir, mas não descartas mudanças.

Fonte: Jornal da Cidade