O meia Felipe Gedoz, ex-jogador do Athletico, foi anunciado como reforço pelo time amador FC Bom Jesus, equipe sediada em Santa Cruz do Sul (RS) que competirá na Liga Regional de Futebol Amador do Vale do Rio Pardo. O atleta de 30 anos estava sem clube desde sua saída do Ypiranga-RS, em julho.

Anteriormente, Gedoz defendeu o Remo, equipe que participa do Campeonato Brasileiro da Série C. O meia atuou pelo Furacão entre 2017 e 2018, e depois teve passagens por diversos clubes como Goiás, Vitória, Brasiliense e Santa Cruz.

No período de 2020 a 2022, disputou 79 partidas e marcou 12 gols pelo Remo. Já no Ypiranga, participou de sete partidas, sem registrar gols.

“Não escolhi jogar de forma amadora. Estou apenas jogando pelo fato de ainda não ter assinado com nenhum clube no momento. Deixe claro que não encerrei minha carreira profissional no futebol”, afirmou Felipe Gedoz à GZH.

Passagem pelo Furacão

O jogador foi contratado pelo Athletico por 1,2 milhão de euros no final de dezembro de 2016 (aproximadamente R$ 4,1 milhões na cotação da época) e chegou para vestir a camisa 10. Seu contrato com o Rubro-Negro encerrou em janeiro de 2020.

Naquela época, Gedoz chegou com a responsabilidade de ser a segunda contratação mais cara na história do Furacão, ficando atrás apenas do uruguaio Morro García. No entanto, apesar de ter a simpatia da torcida, não conseguiu se firmar no time e enfrentou problemas físicos e disciplinares.

Ao todo, entre 2017 e o início de 2018, foram 33 partidas, com nove gols – em apenas dois jogos ele completou os 90 minutos. Em junho de 2017, Gedoz chegou a ser afastado do elenco por questões disciplinares antes de uma partida contra o Atlético-GO.

Após passar pela base do Atlético-RS, Gedoz se profissionalizou no Defensor Sporting, do Uruguai, e se destacou. Em 2014, foi transferido para o Club Brugge, da Bélgica, onde permaneceu por duas temporadas e meia, antes de ser contratado pelo Athletico.

Inscreva-se no nosso canal do Youtube

By Mike Gabriel

Produtor de conteúdo, criador deste site em 2011, quando tudo aqui era mato!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *